OBESIDADE INFANTIL DEVE SER COMBATIDA

OBESIDADE MENINAS

11 de abril de 2014

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: O QUE OS PAIS PODEM FAZER PARA AJUDAR AS CRIANÇAS,


VALORIZANDO MAIS, AS QUE APRESENTAM BAIXA ESTATURA OU DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DO CRESCIMENTO (SOMATOTROFINA – HGH).


Existem várias maneiras para os pais poderem ajudar as crianças com baixa estatura ou com deficiência do hormônio de crescimento (somatotrofina – HGH) a lidar com seus problemas. Assim que for feito o diagnóstico você deve procurar um endocrinologista para orientá-lo sobre as primeiras atitudes a serem tomadas para auxiliar a criança. É importante ser avaliado se há problemas com a inteligência, com o desempenho escolar, se apresenta dificuldade de aprendizagem, transtornos de déficit de atenção ou problemas de comportamento. O psicólogo da escola  pode avaliar se existe algum tipo de problema e oferecer soluções possíveis. Também estar sempre em contato com a escola da criança para acompanhar o progresso escolar ou eventuais sinais de problemas sociais ou de comportamento, geralmente ajudam muito antes que elas saiam do controle. A construção da auto-estima positiva da criança é muito importante.  Procure usar todas as oportunidades para elogiar e incentivar a criança, não criticar, ser sarcástico, ou negativo. Encontrar pontos fortes na criança e trabalhá-los. 

Geralmente as crianças de baixa estatura ou com deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) acham que não podem praticar esportes, mas ao contrário, devem praticar esportes de baixo impacto, como a natação, tênis, citando apenas alguns. Se a criança tem um bom senso de humor, estimulá-la a desenvolvê-lo, elogiá-la e falar positivamente sobre estas suas qualidades. Se a criança é criativa, gosta de escrever, ler prosa ou verso, gosta de tocar música, estimule-a a se dedicar ao que gosta de fazer no tempo ocioso, ampliando esses dons. Se a criança é especialmente compassiva para com os outros, informá-la o que você vê, e que admira muito esta qualidade. Se esforce em construir uma auto-estima positiva que a ajudará a enfrentar os efeitos negativos da rejeição das outras pessoas. Certifique-se de que a criança entenda completamente o que é esperado da terapia de reposição do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH).  Algumas observações sugerem que as crianças e os pais têm expectativas irreais em relação à estatura com a reposição do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH). Eles esperam muito, acreditando que o tratamento vai fazer grandes diferenças na estatura imediatamente. Este não é o caso e pode levar a algumas decepções devido a estes equívocos uma vez que não sejam corretamente esclarecidos. Deve-se sempre ter em mente que o máximo de estatura que se pode conseguir é o que está geneticamente determinado, mesmo se fazendo o tratamento com reposição do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH). Sempre questione o seu endocrinologista quando tiver alguma dúvida, e mesmo a criança deve questioná-lo se quiser, mesmo que se ache que as perguntas não são muito adequadas.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:  
1. Existem várias maneiras para os pais poderem ajudar as crianças com baixa estatura ou com deficiência do hormônio de crescimento (somatotrofina – HGH) a lidar com seus problemas?

2. O psicólogo da escola  pode avaliar se existe algum tipo de problema e oferecer soluções possíveis?

3. As crianças de baixa estatura ou com deficiência do hormônio do crescimento devem praticar esportes de baixo impacto, como a natação, tênis, etc, citando apenas alguns ?

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referências Bibliográficas:
Brian Stabler Ph.D. - Chapel Hill, Carolina do Norte.







Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 96197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com 
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com 
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Seguir no Google Buzz


3 de maio de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: QUESTÕES PSICOSSOCIAIS DAS CRIANÇAS DE BAIXA ESTATURA OU COM ATRASO DO CRESCIMENTO POR DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DO CRESCIMENTO (SOMATOTROFINA – HGH).

O comportamento psicossocial é a forma como as crianças se adaptam mentalmente às situações sociais, e crianças com baixa estatura ou atraso de crescimento por deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) podem apresentar problemas nesta adaptação, pois para algumas crianças o fato de serem muito baixas por deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) pode ser traumático.  As teorias, de como a baixa estatura por deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH)  influencia física e socialmente na vida destas crianças, são muito variáveis. Os aspectos psicossociais, as influências e os fatores familiares, contribuem para uma criança saudável. No entanto, como pais, todos nós precisamos estar cientes dos potenciais problemas de nossos filhosAs pessoas tendem a julgar os outros pela sua aparência, como se vestem, como falam, o que sabem e, sobretudo, pelo olhar, sendo que parte importante do julgamento sobre a "aparência" é a avaliação da estatura. A maioria das crianças de estatura normal é vista sem qualquer problema. 

Mas as crianças que são de baixa estatura ou que apresentam atraso do crescimento por deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH), são vistas de forma diferente. Os que apresentam baixa estatura ou atraso do crescimento por deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) podem ser vistos como mais jovens do que na realidade são e, portanto, têm atitudes imaturas. Outro problema que interfere no amadurecimento social das crianças com baixa estatura ou atraso do crescimento por deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH), é que elas tendem a se comportar de uma maneira consistente com o que os adultos parecem esperar delas. Portanto, as crianças com baixa estatura ou atraso do crescimento por deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) têm dificuldade de se comportarem de acordo com sua idade cronológicaGeralmente fazem papel de bobos, são brincalhões e fazem brincadeiras não condizentes com a idade cronológica.  Durante algum tempo pensou-se que este comportamento imaturo fosse a maior dificuldade psicológica das crianças de baixa estatura ou com atraso do crescimento, mas tem-se observado que podem existir outros fatores.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:  
1. O comportamento psicossocial é a forma como as crianças se adaptam mentalmente às situações sociais?

2. As crianças com baixa estatura ou atraso de crescimento por deficiência do hormônio do crescimento podem apresentar problemas nesta adaptação, pois para algumas crianças o fato de serem muito baixas por deficiência do hormônio do crescimento pode ser traumático?

3. As crianças que são de baixa estatura ou que apresentam atraso do crescimento por deficiência do hormônio do crescimento , são vistas de forma diferente?

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
Kirt E. Simmons, DDS, Ph.D. - Diretor de Ortodontia craniofacial do Arkansas Children's Hospital - Departamento de Cirurgia -  Universidade de Arkansas de Ciências Médicas - Little Rock, Arkansas.






Contato:
Fones: 55 (11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55 (11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com 
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com 
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio

Site Van Der Häägen Brazil

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Seguir no Google Buzz


2 de maio de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DO CRESCIMENTO (SOMATOTROFINA – HGH)


PODEM APRESENTAR PROBLEMAS ODONTOLÓGICOS ALÉM DA DEFICIÊNCIA DE CRESCIMENTO QUE É O QUE MAIS SE NOTA.


Pais de crianças com deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) cujos filhos apresentam problemas de estatura, não pensam nas consequências que a deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) pode produzir na área de desenvolvimento odontológico destas crianças. A deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) é um problema generalizado, que afeta mais do que apenas a estatura da criançaOs níveis normais do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) são necessários para o crescimento e desenvolvimento normal dos dentes do seu filho e dos maxilares. Na rotina de atendimento odontológico e importante a avaliação dos níveis do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) para a saúde odontológica futura de seu filho. A falta de hormônio de crescimento (somatotrofina – HGH) provoca um atraso no crescimento dos ossos, que é claramente evidente na estatura de uma criança. 
Menos evidentes para a maioria das pessoas são os efeitos da deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) sobre o rosto e os dentes do seu filho. A deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH), geralmente causa um atraso no crescimento dos ossos faciais e dos dentes do seu filho. Por exemplo, na ausência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH), é comum que os chamados dentes de leite durem somente de 2 a 5 anos, que é um tempo menor que a média para uma criança, que seria de 7 a 8 ano anos antes de começarem a ser trocados pelos dentes definitivos. Estas crianças também são mais propensos a ter falta de dentes definitivos, podem necessitar de aparelhos ortodônticos, pontes, implantes e coroas (dentes de substituição) para corrigir as falhas. Se você suspeitar dessas alterações em seu filho é melhor levá-lo ao dentista o quanto antes, para que possa fazer raios-X (radiografia) do maxilar da criança para verificar estas condições. O hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) tem um forte efeito sobre o crescimento ósseo, incluindo nos ossos do maxilar superior e do maxilar inferior. Na deficiência de hormônio de crescimento (somatotrofina – HGH), é comum ver um problema de crescimento dos maxilares. Este problema de crescimento é comumente visto com mais frequência no maxilar inferior pequeno ou a presença de um queixo menor que o normal para a harmonia facial. Parece que o hormônio de crescimento interfere mais no crescimento do maxilar inferior.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:  
1. A deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) é um problema generalizado, que afeta mais do que apenas a estatura da criança?

2. Os níveis normais do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH) são necessários para o crescimento e desenvolvimento normal dos dentes do seu filho e dos maxilares?

3. A deficiência do hormônio do crescimento (somatotrofina – HGH), geralmente causa um atraso no crescimento dos ossos faciais e dos dentes do seu filho?

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
Kirt E. Simmons, DDS, Ph.D. - Diretor de Ortodontia craniofacial do Arkansas Children's Hospital - Departamento de Cirurgia -  Universidade de Arkansas de Ciências Médicas - Little Rock, Arkansas.







Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio

Site Van Der Häägen Brazil

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz


30 de abril de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: TENHA A CERTEZA QUE CRESCIMENTO NÃO SE RECUPERA,


E QUE MUITAS VEZES APESAR DE PERCEBERMOS QUE AS COISAS NÃO VÃO BEM, ESQUECEMOS QUE UM DIA SEREMOS COBRADOS POR NOSSOS FILHOS, PRINCIPALMENTE SE FOR AVALIADA A NECESSIDADE DE REPOSIÇÃO DO HGH – HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (SOMATOTROFINA OU COMPLEXO 191) EM CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA, ENTRETANTO O PENSAMENTO MAIS FREQUENTE NO MEIO CIENTÍFICO É QUE MESMO TEORICAMENTE DENTRO DO PADRÃO NORMAL DE CRESCIMENTO, PODERÁ COMPENSAR TRATAR CRIANÇAS E ADOLESCENTES E JUVENIS.


Toda criança deve ser medida e pesada no mínimo uma vez por ano. Essa é a principal recomendação dos especialistas quando o assunto é crescimento infantil, um processo curioso que depende de vários fatores para ocorrer normalmente. Alimentação adequada, prática de esportes e, especialmente, prevenção de doenças como anemia, infecções, asma e verminoses são fundamentais para garantir o crescimento das crianças. Mas não se engane. Não existe nada atualmente que faça seu filho crescer mais do que a genética determina.
Muitos pais ficam decepcionados ao perceber que os filhos não serão altos e perguntam se existe algum tratamento capaz de fazê-los ganhar altura, altura determinada geneticamente, ou seja, se uma pessoa nasce predisposta a ter 1,70 metros, não terá mais do que isso. Para que a criança alcance essa altura alvo na idade adulta, são necessárias condições ideais de saúde. Dieta regular, atividade física, repouso adequado e ausência de doenças crônicas e de problemas intestinais são fatores que influenciam positivamente no crescimento das crianças, esses são fatores externos que podem interferir no aumento estatural. Mas, grande parte das crianças que tem seu crescimento reduzido em conseqüência de doenças ou de alimentação inadequada pode ter seu crescimento otimizado e melhorar seu desenvolvimento. Tudo vai depender do tempo e da intensidade do problema. Se a criança ficou mal dois meses, basta tratar a doença que ela retoma seu crescimento e continua a altura programada. Mas, se a criança fica doente muito tempo, a situação se complica. Os distúrbios de crescimento causados por desequilíbrio hormonal, como o nanismo e o gigantismo, são raros. Esses casos podem ser identificados precocemente, assim como os transtornos mais simples. Muitas dessas disfunções, de acordo com as observações científicas, são percebidas na escola. Vê-se que o aluno apresenta um atraso no desenvolvimento físico, conversamos com os pais. Ao apresentarem um trabalho, os alunos da 7ª série de uma escola que comparavam a altura dos estudantes da escola com a média de desenvolvimento das crianças no resto do mundo, a conclusão é de que os alunos estão na média com desenvolvimento não uniforme - O crescimento não acontece da mesma forma durante a infância e a adolescência. 
Segundo os médicos, as crianças apresentam fases rápidas e lentas de crescimento, que começam logo no primeiro ano de vida, quando o bebê se desenvolve cerca de 20 centímetros. Em nenhum momento a criança vai crescer tanto em tão pouco tempo, é uma fase importante, que a mãe precisa aderir à amamentação; entre um e dois anos, esse desenvolvimento chega a ser de 12 centímetros/ano. A partir dessa idade, o crescimento começa a desacelerar um pouco, chegando a ser de 7 cm a 8 cm anualmente até os quatro anos de idade e, depois, de 4 cm a 5 cm até a puberdade, embora trabalhos científicos internacionais, consideram que se o crescimento na ultima fase for de somente até 5 cm/ano já se pode considerar como crescimento deficiente é irá finalizar em uma estatura média para meninos e meninas, e estará completada. Entretanto o pensamento mais frequente no meio científico é que mesmo teoricamente dentro do padrão normal de crescimento, poderá compensar tratar crianças e adolescentes e juvenis com cartilagem de crescimento aberta de acordo com os padrões de Greülich ET Peyle ou também os padrões de Tanner e/ou verificação dos ossos longos dos membros inferiores abertos, devido os grandes avanços na terapêutica do crescimento com riscos desprezíveis. 

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais: 
1. O hormônio do crescimento (GH) tem outros efeitos além de promover o crescimento linear ou por pulsos em crianças?
http://crescercriancasjuvenil.blogspot.com 

2. Crianças que tem seu crescimento reduzido em conseqüência de doenças ou de alimentação inadequada podem ter seu crescimento otimizado e melhorar o seu desenvolvimento?
http://crescermais2.blogspot.com 

3. Toda criança deve ser medida e pesada no mínimo uma vez por ano ? http://metabolismocontrolado.blogspot.com 

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.
 
Referências Bibliográficas:
Ralph Decker, Kerstin Albertsson Wikland; Kriström Berit; Nierop FM Andreas; Jan Gustafsson; Bosaeus Ingvar; Fors Hans; Hochberg Ze'ev; Dahlgren Jovanna 
Publicado em: 2010/11/18; Clin Endocrinol.
2010, 73 (3) :346-534. © Blackwell Publishing 2010. 







Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305 
Nextel: 55(11) 7717-1257 
ID:111*101625 
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122 
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
 drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
 vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com 

Seguir no Google Buzz


12 de abril de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO, SUAS IMPLICAÇÕES, A IMPORTÂNCIA DE SEU DIAGNÓSTICO PRECOCE


TANTO NA CRIANÇA QUANTO NO ADULTO E A IMPORTÂNCIA DE SUA REPOSIÇÃO EM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH).


Os somatotrófos são células da glândula pituitária que secretam o hormônio de crescimento (GH). Esta secreção de hormônio de crescimento (GH) é estimulada pelo fator liberador de hormônio de crescimento (GHRH) e é inibida pela somatostatina é produzida pelas células delta do pâncreas, em lugares denominados Ilhotas de Langerhans, pelo hipotálamo, é classificada como um hormônio inibitório, e um dos hormônios que ela inibe a secreção é o hormônio de crescimento (GH). As manifestações clínicas da deficiência de hormônio de crescimento (DGH) são variáveis, dependendo da idade que começamAs crianças geralmente apresentam baixa estatura, enquanto os adultos têm reduzido o desempenho físico e o bem estar psicológico é prejudicado. Os objetivos da terapia com hormônio de crescimento (GH) são diferentes em crianças e adultos. Em crianças, se usa o hormônio de crescimento (GH) com a finalidade de promover o crescimento linear e restaurar a composição corporal, já em adultos, as metas são para melhorar o condicionamento e força física, para restaurar a composição corporal normal, e para melhorar a qualidade de vida. 
O hormônio do crescimento promove o crescimento linear, regulando a produção endócrina e parácrina (as glândulas parácrinas segregam mediadores que se difundem para o líquido extracelular - de fora da célula e afetam as células vizinhas) do fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF-1), que é produzido pelo fígado e outros tecidos alvo, incluindo a placa de crescimento epifisária dos ossos longos. O hormônio do crescimento (GH) tem diversas ações metabólicas, tal como a lipolítica e a diabetogênica e efeitos anabólicos (efeitos androgênicos). Portanto os resultados da deficiência de hormônio de crescimento (DGH) são alterações na fisiologia (funcionamento) dos diferentes sistemas do corpo, manifestando-se em aumento de gordura visceral, aumento de gordura subcutânea, diminuição da massa muscular, diminuição da densidade mineral óssea e pior desempenho nos exercícios. A incidência de baixa estatura associada a graves deficiências de hormônio de crescimento (DGH) na infância, tem sido estimada em diversos estudos que cerca de 1 em 4.000 a 1 em 10.000 crianças sofrem da deficiência de hormônio de crescimento (DGH). Cerca de 20.000 crianças por ano recebem a terapia de reposição de hormônio de crescimento (GH), e cerca de 4.000 crianças são diagnosticados anualmente como candidatas a este tratamento. A prevalência exata da deficiência de hormônio de crescimento (DGH) na idade adulta não é conhecida. Cerca de 35.000 adultos apresentam deficiência de hormônio de crescimento (DGH), e anualmente cerca de 6.000 novos pacientes adultos são diagnosticados.


AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
 Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Os somatotrófos são células da glândula pituitária que secretam o hormônio de crescimento (GH)?
http://crescersim.blogspot.com

2. Esta secreção de hormônio de crescimento (GH) é estimulada pelo fator liberador de hormônio de crescimento (GHRH)?
http://crescermais2.blogspot.com

3. As crianças geralmente apresentam baixa estatura, enquanto os adultos têm reduzido o desempenho físico e o bem estar psicológico é prejudicado? 

http://deficienciahormonal.blogspot.com

OS AUTORES PROSPECTIVOS ET REAUTORIZADO O USO DOS DIREITOS 
AUTORAIS COM CITAÇÃO DA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
Autor: Eledrisi S Mohsen, MD, FACP, FACE, Editor-Chefe: Griffing T George, MD, Steven Gambert R, MD, presidente MACP,  Francisco Talavera, PharmD, PhD Farmácia Senior Editor, eMedicine, Don S Schalch, MD,  Mark Cooper, MBBS, PhD, chefe FRACP.







Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55 (11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002   
Seguir no Google Buzz


16 de novembro de 2010

ENDOCRINOLOGIA - NEUROENDOCRINOLOGIA: CRESCIMENTO INFANTIL JUVENIL-


UMA PERGUNTA SEMPRE PRESENTE NO QUESTIONAMENTO DOS PAIS A RESPEITO DOS RISCOS NO TRATAMENTO DE SEUS FILHOS COM RELAÇÃO A POSSÍVEIS EFEITOS NOCIVOS EM DECORRÊNCIA DA CORREÇÃO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO(HGH) SOMATOTROPINA OU COMPOSTO 191,E SUA SEGURANÇA.


A literatura mostra que o tratamento é seguro mesmo nas situações mais graves quando crianças apresentam déficit de GH após o tratamento com radioterapia de crânio nos tumores  do SNC. Trata-se de um procedimento seguro e sem riscos de recidiva da doença naqueles pacientes que receberam alta da doença de base. Isto apenas comprova que pacientes com tratamento adequado e completo não deve levar seus pais a preocupações maiores,até porque a substância utilizada é bio-idêntica foi desenvolvida através de engenharia genética, grande passo do final do século 20 que é o DNA RECOMBINANTE. Até  o final da década quando o avanço da engenharia genética por DNA-Recombinaste, entrou em sena, eliminando a utilização precária de extrato de Hipófise Humana onde o organismo poderia rejeitar tais extratos por serem de diversos indivíduos  os médicos estavam muito limitados com relação ao tratamento do deficiente em crescimento, entretanto após a eliminação em laboratório deste risco significativo, milhões de pessoas tem utilizado este avanço científico, devido não ser possível a eliminação através do DNA do fator identificador. Este fato representou um avanço monumental para os pacientes com deficiência, além de se descobrir outras aplicações , inclusive em adultos.




AUTORES PROSPECTIVOS

Dr.João Santos Caio Jr
Endocrinologista - Neuroendocrinologia
CRM: 20611

Dra.Henriqueta V.Caio
Endocrinologista - Medicina Interna
CRM: 28930

Como Saber Mais:

1.Crianças que são pequenas para idade gestacional, terão problemas após o nascimento?  

http://crescersim.blogspot.com


2.Crianças e infanto juvenil deve tomar HGH hormônio de crescimento para corrigir deficiência?
http://crescimentojuvenil.blogspot.com


3.Obesidade interfere no crescimento?                    http://www.drcaiojr.site.med.br

Referências Bibliográficas:
J Pediatr Clin Endocrinol. 2010 Jun; 23 (6) :535-51.
Revisão sistemática da eficácia clínica de (somatropina) em crianças com curta
estatura. Loftus J, R Heatley, C Walsh, Dimitri P.





Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11)7717-1257      
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
Emails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com 
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com 
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio 
http://dracaio.site.med.br
Site Van Der Haagen Brazil
Seguir no Google Buzz